O Que É Meditação?

A meditação pode significar coisas diferentes para pessoas diferentes, mas no budismo, trata-se de um método estruturado, passo a passo, para fazer a experiência da vida com um estado mental mais benéfico e feliz.

Quando ouvimos a palavra “meditação”, muitas vezes temos várias ideias sobre o que ela é. Para algumas pessoas, ela traz uma imagem de uma prática mística na qual, de alguma forma, vamos a uma dimensão diferente em nossa mente. Para outras, pode trazer a ideia de um certo tipo de disciplina praticada por certas pessoas na Ásia. Se quisermos olhar de forma mais séria para a meditação, temos que abordar essas três questões:

  • O que é a meditação?
  • Por que eu gostaria de meditar?
  • Como é que se medita?

O Que É a Meditação?

Se a “mente” no budismo se refere à nossa experiência individual, subjetiva das coisas em nossa vida, e “karma” explica os impulsos mentais que nos levam a agir, falar e pensar de formas compulsivas, como geralmente o fazemos, então a “meditação” se refere aos métodos através dos quais podemos mudar esses padrões.

A meditação é um método para treinarmos a experiência da vida com um estado ou uma atitude mental mais benéfica.

Podemos mudar esses padrões gerando repetidamente um certo estado mental para nos acostumarmos a ele e o transformarmos em um hábito. No nível físico, fazer isso realmente cria as novas trilhas neurais.

Há muitos diferentes estados e atitudes mentais que são benéficos.

  • Estar mais relaxados, menos estressados e tensos
  • Estar mais focados e menos apáticos ou distraídos
  • Estar mais calmos e tranquilos, livres de preocupações compulsivas e constante diálogo mental
  • Ter uma melhor compreensão de nós mesmos, dos outros, de nossa vida e assim por diante, livres de confusões e equívocos
  • Ter mais emoções positivas em relação aos outros, como amor e compaixão, livres de raiva ou indiferença.

Por Que eu Gostaria de Meditar?

Para responder a esta pergunta, precisamos nos perguntar:

Qual o Meu Objetivo e por Que?

Um exemplo é que pode ser que simplesmente queiramos uma mente mais calma e clara. Uma razão para ter este objetivo seria obviamente que a nossa mente não é calma e isso nos faz sentir perturbados, causando bastante infelicidade, e impede que funcionemos da melhor forma possível em nossas vidas. A nossa mente perturbada também pode estar afetando a nossa saúde de forma negativa, ou pode esta causando ou agravando problemas em nossas famílias e comprometendo nossos outros relacionamentos. Pode estar dificultando as coisas para nós em nosso local de trabalho.

Neste exemplo, o nosso objetivo é superar alguma espécie de deficiência ou problemas que tenhamos, tanto mental quando emocional. Decidimos tomar responsabilidade para superar este problema de uma forma ordenada através da prática de meditação.

De uma Perspectiva Emocional, O Que Me Leva a Querer Alcançar Este Objetivo?

Qual é o estado emocional que nos levaria a começar a prática de meditação? Bem, pode ser que estejamos totalmente cansados de nosso estado mental. Então, dizemos a nós mesmos: “Agora chega. Tenho que sair desta situação. Tenho que fazer algo a este respeito. Isso está me fazendo infeliz.” Além disso, se quisermos ajudar mais os nossos entes amados, o estado emocional também inclui nosso amor por eles, e a preocupação de como os nossos estados e comportamentos mentais negativos podem afetá-los de forma negativa. A combinação dessas emoções nos leva a achar algum método que nos possibilite ajudá-los mais.

É irrealista pensar que apenas a meditação solucionará todos os nossos problemas.

É importante ter uma compreensão realista do que é a meditação. Meditação é uma ferramenta; é um método. Quando queremos alcançar um resultado e temos uma razão positiva e uma emoção que nos impulsiona nesta direção, precisamos entender que nenhum resultado é alcançado por uma única causa. Muitas causas e condições precisam se reunir para produzir um resultado. Por exemplo, se eu tiver pressão alta e hipertensão, é claro que a meditação seria útil. A meditação diária com certeza pode nos ajudar a nos preocupar menos. Apenas a meditação, no entanto, não baixará a minha pressão. Pode ajudar, mas também preciso mudar a minha dieta, fazer mais exercício físico, e pode ser que também ainda precise tomar remédios. Muitos fatores aplicados em conjunto trarão o resultado desejado de baixar a minha pressão.

Como Devo Meditar?

Há vários métodos de meditação que podemos usar, dependendo do estado mental que queremos desenvolver. Uma coisa comum a todos esses métodos é a necessidade de praticar.

“Praticar meditação” significa repetir um exercício mental e emocional de novo e de novo.

Quando queremos treinar nossos corpos, temos que praticar algum tipo de atividade física com regularidade; da mesma forma, precisamos praticar com as nossas mentes.

Aquietar-se

A meditação começa com aquietar-se. Mas a meditação não é simplesmente um método asiático para relaxamento. Aquietar-se é apenas um passo preparatório, mas trata-se de um pré-requisito e da fundação sobre a qual podemos construir um estado mental mais positivo. Dos muitos métodos para aquietar a mente, um dos mais comuns é praticar focando na sensação da respiração entrando e saindo das narinas. Para ajudar a manter a atenção, podemos contar mentalmente repetidos conjuntos de onze rodadas de inspirações e expirações.

Quando estamos tentando aquietar a mente, não é nosso objetivo parar todo o pensamento e ter uma mente em branco, como um rádio que foi desligado. Este seria um equívoco. Ao invés de parar todo o pensamento, na meditação paramos com o pensamento supérfluo e desnecessário, tais como pensamentos perturbadores sobre o futuro (o que vou jantar?) e pensamentos negativos e inúteis (você foi ruim comigo ontem. Você é uma pessoa horrível). Com uma atenção maior, tentamos notar o mais rápido possível quando as nossas mentes se distraem e imediatamente retornamos a nossa atenção para a contagem das respirações.

Certas emoções podem ser bem perturbadoras, como quando estamos nervosos, preocupados ou com medo. Precisamos aquietá-las também. Ao focar na respiração calma e constante, as tensões em nossos músculos lentamente relaxam e o nosso estado emocional também se acalma.

No entanto, não é suficiente que a nossa atividade mental seja aquietada de pensamentos e emoções perturbadores; ela também tem que estar clara e alerta. Precisamos elevar a nossa atividade mental de sua apatia e de suas distrações. Então, à medida que retornamos a nossa atenção para a respiração quando detectamos que estamos vagando mentalmente; e, da mesma forma, refrescamos a nossa atenção quando detectamos que está ficando apática.

Gerar Emoções Positivas

Calmar emoções perturbadoras e pensamentos negativos não nos torna zumbis emocionais que não sentem nada. Não sentir nada também é uma forma de bloqueio emocional que precisa ser liberado no processo de aquietar-se. Um sinal de sucesso na meditação de aquietar a mente é quando os nossos corações estão abertos; fazemos a experiência da paz interna com um sentimento gentil de calidez e felicidade. Quando nutrido, este sentimento calmo e gentil pode crescer, como uma célula-tronco, e tornar-se uma matriz de sentimentos positivos.

É muito duro gerar qualquer sentimento verdadeiro apenas sentando na meditação e simplesmente dizendo a si mesmo: “seja mais amável.” Não se trata de uma questão de força de vontade. Para gerar uma atitude sincera de cuidado com outros e gentileza amorosa, por exemplo, precisamos elevar a nossa mente rumo a este estado positivo passo a passo. Se o fizermos com o suporte da razão, o nosso sentimento positivo será mais estável.

Um método é imaginar uma situação difícil e usar a razão para entender por que certo sentimento emocional é adequado, razoável e necessário para lidar com ela. À medida que focamos na cena imaginária e raciocinamos, gradualmente sentimos as emoções intencionadas, embora sejam inicialmente muito fracas. Depois, focamos na situação com a emoção e a compreensão de quanto ela é adequada, e usamos os mesmos métodos que usamos para calmar a mente, para corrigir distrações mentais e apatia e manter a atenção. Quanto mais forte for o nosso foco na situação imaginária com uma compreensão firme, mais forte será o foco na emoção que sentimos por ela. Desta forma, esta emoção se torna mais forte.

O seguinte exemplo pode ajudar. Imaginem que estão em um elevador com dez pessoas e, de repente, o elevador para e vocês ficam presos nele por alguns dias. Como vocês podem se relacionar com as outras pessoas no elevador? Com uma mente calma e sóbria vocês avaliam a situação na meditação. “Aqui estamos. Estamos todos igualmente presos neste elevador e todos queremos igualmente passar por esta provação da forma mais pacífica possível e sair dali com segurança. A forma como interagiremos uns com os outros afetará cada um de nós aqui; assim sendo, se eu apenas pensar em mim e ficar irritado com os outros e começar a brigar, eu apenas tornarei as coisas piores para todos, incluindo para mim mesmo. Portanto, para conseguir superar esta situação difícil, preciso ter cuidado com o bem estar de todos e tratá-los com gentileza amorosa, compreensão e paciência.

Desta forma, trabalhamos em nós mesmos até conquistarmos um sentimento de cuidado e gentileza amorosa que dirigiremos para as pessoas em nosso elevador imaginário. Gradualmente, quando a nossa emoção positiva se estabilizar, estenderemos este sentimento a todos aqueles que estão presos juntos neste gigantesco elevador chamado Terra.

A Meditação Melhora o Nosso Cotidiano

Quando praticada de forma adequada, a nossa prática de meditação começa a afetar o nosso cotidiano em meio às nossas sessões de meditação formal. Se estivermos praticando um certo tipo de estado mental durante a nossa sessão de meditação, quer seja um estado mais calmo, mais focado, mais amoroso, não se trata apenas de gerar este estado mental enquanto você estiver calmamente sentado em meditação. Toda a questão trata de desenvolver o estado positivo de forma tão minuciosa até que ele se torne um hábito que possamos aplicar quando dele precisarmos, a qualquer hora do dia e da noite. Em última instância, torna-se algo que é apenas natural; simplesmente está ali o tempo todo. Estamos sempre amando, entendendo, mais focados e calmos.

Se em algum momento descobrimos que não estamos neste tipo de estado mental, apenas precisamos nos lembrar: “seja mais amável”. Como estamos bem familiarizados com este estado mental por causa da prática, podemos instantaneamente voltar a este estado mental. Por exemplo, quando percebemos que estamos perdendo a nossa paciência com alguém, imediatamente o percebemos e nos lembramos, consciente ou inconscientemente: “Não quero ser assim.” Então, como em um estalar de dedos, ou como reiniciar o nosso computador quando ele nos notifica sobre algum erro, fechamos esta “sessão” de falta de paciência e regeneramos a nossa atitude para demonstrarmos paciência e gentileza amorosa com a pessoa em questão.

Conclusão

Ninguém é perfeito, e a maioria de nós pode achar em si ou admitir algum tipo de falha emocional ou mental. Alguns de nós tem um mau gênio; alguns podem sentir um ciúme extremo, enquanto outros podem ter uma capacidade muito limitada de prestar atenção por curto tempo. Esses hábitos não estão impressos na pedra, mas podem ser modificados, caso queiramos realmente fazer um esforço de mudá-los.

Essa mudança não requer nada além de um trabalho duro e um esforço constante. Muitas pessoas passam muitas horas a cada semana se exercitando em uma academia e, no entanto, esquecem de exercitar sua maior habilidade: a mente. Embora seja difícil no início, quando começamos a compreender os benefícios que a meditação traz para nossas vidas, encaramos cada sessão com alegria. Com o tempo, à medida que nos familiarizamos com os estados mentais positivos, nos tornamos naturalmente mais gentis, amorosos e, em última instância, mais felizes.