Lógica Budista Para Ajudar no Trabalho Lógica Budista Para Ajudar no Trabalho

Para ativar as legendas, favor clicar no ícone “Legendas” no canto inferior direito da tela do vídeo. Para mudar o idioma da legenda, favor clicar no ícone “Configurações” e depois “Legendas” e escolher o idioma de sua preferência.

O Buda disse para não acreditarmos cegamente no que ele ensinou, devemos experimentar e testar seus ensinamentos de acordo com a lógica, como se estivéssemos testando a veracidade do ouro.

Há dois tipos de lógica usados no budismo. Um deles é provar ou estabelecer uma tese sobre a aplicabilidade de uma propriedade específica com base em uma linha de raciocínio. Por exemplo, a seguinte tese: o projeto no qual estamos trabalhando é não-estático (ele mudará), pois é afetado por causas e condições, como o meu corpo. O outro método é provar que a tese  sobre a aplicabilidade de uma propriedade específica está errada, indicando as conclusões absurdas que resultariam caso  estivesse certa. Por exemplo, a seguinte tese: o projeto no qual estamos trabalhando é estático (fixo, ele nunca mudará). O propósito dos dois tipos de lógica é eliminar o erro e assegurar o acerto usando uma estratégia realista embasada na razão.

Primeiro: o projeto no qual estamos trabalhando é não-estático (ele mudará), pois é afetado por causas e condições, como o corpo. Há três características de uma razão válida que precisam estar presentes para provar a tese. A razão aqui é “pois é afetado por causas e condições, como o meu corpo.”.

  • A razão tem que se aplicar ao tema da tese – O meu problema no trabalho é afetado por causas e condições? Sim, se a situação financeira mudar, se as pessoas que trabalham no projeto adoecerem, se eu adoecer, isso afetará o projeto.
  •  A razão tem que se aplicar ao conjunto análogo de todos os fenômenos que têm a mesma propriedade a ser comprovada. – Sim, todos os fenômenos que mudam são afetados por causas e condições, como o meu corpo. Meu corpo é um exemplo análogo. Pensamos também em outros exemplos, como minha relação com meu companheiro, com meus pais, com meus filhos – todas essas relações mudam e todas são afetadas por causas e condições, como o envelhecimento. Depois temos que excluir a possibilidade de haver exceções a essa regra. 
  • A razão não deve se aplicar ao conjunto oposto de todos os fenômenos que não possuem a propriedade a ser comprovada – Sim, todos os fenômenos que permanecem estáticos e nunca mudam não são afetados por causas e condições, como o fato de que na Terra o dia tem apenas 24 horas. Esses fatos são os exemplos opostos e não são afetados por nada – não importa quantas pessoas contratemos, o dia continuará com apenas 24 horas para se trabalhar.

Com base na validade dessa linha de raciocínio, podemos concluir que o projeto no qual estamos trabalhando é não-estático, pois é afetado por causas e condições, e, portanto, ele mudará. Isso nos oferece uma estratégia. À medida que as condições vão mudando, à medida que os testes dos usuários demonstram que algo não está funcionando, por exemplo, isso afeta o projeto e nos leva a fazer modificações que estejam de acordo com as novas demandas.

Com o segundo tipo de lógica budista, indicamos as conclusões absurdas que resultariam se o projeto no qual estamos trabalhando fosse estático – se fosse fixo e nunca mudasse. Se assim fosse, se não fosse afetado por causas e condições, ele nunca poderia ter surgido nem haveria necessidade de projetá-lo. E independente do que acontece, mesmo se funcionários fossem embora e tivessem que ser substituídos, o projeto não seria afetado. Esse tipo de análise nos ajuda a abandonar a ideia absurda de que nosso projeto é fixo e não pode ser ágil e fluido nem se adaptar a novas condições à medida que elas mudam, o que inevitavelmente acontecerá.

Top