You are in the archive Please visit our new homepage

Os Arquivos de Berzin

Arquivos sobre Budismo do Dr. Alexander Berzin

Mudar esta página para Versão Texto. Saltar para navegação principal.

Home > Fundamentos do Budismo Tibetano > Nível 2: Material Lam-rim (estágio gradual) > Renúncia – a Determinação de Ser Livre

Renúncia – a Determinação de Ser Livre

Alexander Berzin
Morélia, México, 10 de Outubro de 2001

Definição e Implicações

A renúncia (nges-'byung) é a determinação de ser livre não só de algumas formas de sofrimento, como também das suas causas. Envolve a vontade de abandonar esse sofrimento e as suas causas. Assim, requer uma grande coragem. Não é termos apenas como objectivo a obtenção de algo agradável sem pagarmos o preço.

A renúncia também implica a crença de que é possível sermos livres desse sofrimento e das suas causas. Isso não é apenas uma fantasia. É uma convicção de que isso é um fato verdadeiro (dad- pa) em todos os três modos:

  1. Acreditar nele com clareza (dang-ba'i dad-pa), livra a mente de emoções e atitudes perturbantes sobre o objecto. Assim, a correta renúncia liberta a mente da indecisão, da auto-piedade e do ressentimento de termos de abdicar de algo desejável.

  2. Acreditar que um fato é verdadeiro com base na razão (yid-ches-pa): precisamos de compreender como a liberação do sofrimento e das suas causas é possível.

  3. Acreditar num fato ao qual se aspira (mngon-dad-kyi dad-pa): tal como nos dois estágios da bodhichitta (os estágios aspirativo e engajado), não precisamos apenas de desejar ou de estar dispostos a abdicar de algum nível de sofrimento e suas causas. Precisamos é de realmente abandonar, tanto quanto formos capazes de o fazer no momento, não só o sofrimento como também as suas causas, e de nos envolver com as práticas que eventualmente nos irão permitir adquirir a libertação deles de uma vez por todas.

Além disso, a correta renúncia não é o mesmo do que a renúncia passageira e toda excitada (sna-thung spu-sud-kyi nges-'byung), ou seja, a renúncia entusiástica e fanática de tudo, baseada na fé cega de que uma fonte externa nos irá salvar. Implica uma atitude realista sobre o trabalho laborioso que nela está envolvido. Podemos nos inspirar nos outros, mas nós mesmos teremos de trabalhar assiduamente.

E mais, precisamos de ter uma atitude realista sobre como o progresso ocorre. Tornarmo-nos livres do samsara nunca é um processo linear, em que as coisas estão sempre a melhorar. Até ficarmos livres para sempre, o samsara vai continuar aos altos e baixos. Com uma perspectiva a longo prazo podemos ver progresso mas no dia a dia os nossos humores vão continuar aos altos e baixos.

Assim, precisamos de disciplina e de paciência para tolerar as dificuldades do caminho budista, e da armadura da perseverança alegre (go-cha'i brtson-'grus) para continuarmos apesar dos altos e baixos. Com a luz da convicção que suporta a nossa determinação em sermos livres, não ficaremos frustrados nem desanimados.

Dois Estágios da Renúncia de Acordo Com Tsongkhapa

Em Os Três Aspectos Principais do Caminho (Lam-gtso rnam-gsum), Tsongkhapa diferencia:

  1. a renúncia do escopo inicial, com a qual a nossa preocupação principal de melhorar esta vida é transformada na preocupação de melhorar as vidas futuras,

  2. a renúncia do escopo intermédio, com a qual o nosso principal interesse em melhorar as vidas futuras é transformado no interesse em obter a liberação dos incontroláveis renascimentos recorrentes do samsara.

A primeira é um nível de renúncia desenvolvido em comum com os não-budistas que visam ir para o céu. A segunda é exclusivamente budista.

[Ver: Os Três Aspectos Principais do Caminho.]

Renúncia Dharma-Lite

Podemos implementar esta diferenciação adicionando um estágio preliminar, a versão “Dharma-Lite” (como a Coca Cola Lite). A renúncia Dharma-Lite é a transformação do nosso principal interesse de gratificação momentânea, pelo da melhoria de períodos mais tardios nesta vida ou para o benefício de gerações futuras.

No entanto, a renúncia Dharma-Lite só é válida como parte do caminho budista quando a virmos como um mero degrau para se alcançar os dois níveis do “Dharma a Sério”. Para alcançarmos os níveis do “Dharma a Sério” precisamos de compreender corretamente os ensinamentos budistas sobre o renascimento, e acreditar neles como fatos baseados na razão. Senão, como poderemos trabalhar sinceramente para melhorar as nossas vidas futuras ou para atingir a liberação dos incontroláveis renascimentos recorrentes?

Assim, com a renúncia Dharma-Lite, olhamos para os problemas diários que temos na vida – nos nossos relacionamentos, no modo como lidamos com as dificuldades, e assim por diante. Olhamos também para as causas que estamos dispostos a abandonar, a fim de melhorar a qualidade desta vida – não apenas imediatamente, como também mais tarde nesta vida. Este nível de renúncia é partilhado com a psicoterapia.

Paralelamente a este nível, podemos dar uma direção segura à vida (tomar refúgio) com base numa versão Dharma-Lite. Damos uma direção segura às nossas vidas, a de trabalhar para conseguirmos viver com as nossas neuroses de modo a que elas nos causem apenas problemas mínimos. Olhamos para aqueles que conseguiram isso, no todo ou em parte, como indicando o caminho.

[Ver: “ Dharma-Lite” Versus “Dharma a Sério”.]

Renúncia e Direção Segura Temporárias

O Lam-rim (os estágios graduais do caminho) apresenta primeiro o tópico da tomada de uma direção segura em termos da renúncia do escopo inicial. Aí, ela é baseada no medo de piores renascimentos e na crença de que as Três Jóias nos podem de fato conduzir a melhores renascimentos. Tal como a versão Dharma-Lite, este nível de renúncia e direção segura são também apenas temporários. Também não são formas completas e definitivas.

A Jóia do Dharma é a verdadeira cessação do sofrimento e das suas causas, e o verdadeiro caminho interno que nos conduz a ela (verdadeiros caminhos). No entanto, a nível inicial, a Jóia do Dharma não é a verdadeira Jóia do Dharma. O sofrimento que pretendemos eliminar é apenas o sofrimento mais óbvio; a sua causa é apenas o não-apercebimento da causa e efeito comportamental; a cessação é apenas provisória; e o caminho é refrearmos o nosso comportamento destrutivo.

Além disso, aqueles que alcançaram a chamada Jóia do Dharma são aqueles que estão nos melhores estados de renascimento – humanos e deuses, não Budas e não necessariamente a comunidade arya sangha daqueles com cognição não-conceptual da vacuidade.

Renúncia e Direção Segura Definitivas

Só encontramos a plena e definitiva renúncia e a plena e definitiva direção segura no nível intermédio do lam-rim. Aqui, os verdadeiros sofrimentos incluem todos os três tipos (dor, mudança, e todo-abrangente); a verdadeira causa é o não-apercebimento da vacuidade; a verdadeira cessação é para sempre – e não apenas provisória, como [por exemplo] termos renascimentos em planos mais elevados ou estados meditativos -; e as verdadeiras mentes do caminho interno são as cognições não-conceptuais da vacuidade.

De igual modo, aqui, damos a definitiva direção segura às nossas vidas e apontamos para a verdadeira Jóia do Dharma, as verdadeiras cessações e os verdadeiros caminhos como existem por completo nos continuums mentais dos Budas e parcialmente nos continuums mentais do sangha dos arya.

[Ver: Identificação dos Objetos de Direção Segura (Refúgio).]

Nível de Renúncia e de Direção Segura do Bodhisattva

No nível avançado de motivação bodhichitta no lam-rim, a renúncia tem como objetivo não só libertarmos os outros do seu sofrimento da dor, nem libertarmos apenas alguns seres do sofrimento, mas libertarmos todos os outros de todo o sofrimento samsárico e das suas causas. Este desejo de que todos estejam totalmente libertos do sofrimento e suas causas, com a convicção de que isso é possível, é denominado “compaixão”. A compaixão é um aspecto da renúncia ao nível do bodhisattva.

Para obtermos a capacidade de ajudar a libertar todos os outros, precisamos do outro aspecto da renúncia do bodhisattva. Precisamos de renunciar não só os obscurecimentos emocionais (nyon-sgrib) que impedem a nossa libertação, como também os obscurecimentos cognitivos (shes-sgrib) que impedem a nossa onisciência. De novo, isto implica a compreensão da onisciência, dos obscurecimentos que a impedem, e uma firme convicção de que é possível nos livrarmos desses obscurecimentos para sempre. Implica também a convicção de que é possível que todos se livrem desses obscurecimentos para sempre.

Observações Conclusivas

Assim, ao longo de todo o caminho budista, precisamos da vontade de abandonar o sofrimento e suas causas. Deste modo, precisamos de reconhecer o nosso egoísmo, preguiça, apego, raiva, e assim por diante como fontes do nosso sofrimento; abandoná-las agora tanto quanto possível e nos esforçarmos, o mais depressa possível, por nos livrarmos delas para sempre.

No tantra precisamos de uma renúncia ainda mais profunda. Precisamos de estar dispostos a abrir mão das nossas auto-imagens ordinárias e da nossa identificação com elas e depois abandoná-las realmente tanto quanto pudermos. A renúncia é certamente uma prática profunda e de vasto alcance, desde o Dharma-Lite até ao mais elevado tantra.