A Prece dos Sete Ramos

Tomo direção segura, até meu purificado estado, nos Budas, Dharma e Suprema Assembleia. Pela força positiva da minha generosidade e coisas mais, que eu possa alcançar a Budeidade para ajudar aqueles que vagueiam.

Que em todas as direções a superfície da terra possa ser pura, sem nenhuma pedra que seja, tão suave como a palma da mão duma criança, naturalmente brilhante, tal como uma esmeralda.

Que os objetos de oferenda, divinos e mundanos, realmente oferecidos ou simplesmente visualisados como inigualáveis nuvens de oferendas de Samantabhadra, possam preencher totalmente a esfera do espaço.

(1) Prostro-me perante os Budas que agraciaram os três tempos, ao Dharma e à Suprema Assembleia, reverenciando com corpos tão numerosos quanto os átomos do mundo.

(2) Assim como Manjushri e outros fizeram oferendas aos Triunfantes, faço também oferendas aos que Assim Progrediram, nossos Guardiões, e aos sua prôgenie espiritual.

(3) Desde o samsara sem início, nesta e noutras vidas, tenho inadvertidamente cometido atos destrutivos, ou levado outros a agirem da mesma forma, oprimido pela confusão da ingenuidade. Tenho até regojizado com tudo isso. Vendo esses erros, eu abertamente os declaro à vos, nossos Guardiões, do fundo do coração.

(4) Com alegria, me regojizo do oceano de força positiva do desenvolvimento de bodhichitta, desejando levar felicidade a todos os seres limitados e trabalhando para bem de todos.

(5) Com mãos pressionadas juntas, peço aos Budas de todas as direções que acendam a luz do Dharma àqueles que estão tateando na escuridão do sofrimento.

(6) Triunfantes, desejoso eu de passar além da dor, vos suplico com as mãos em prece: estes seres vagueiam cegos sem ninguém para guiá-los; por favor, vivam por eras incontáveis.

(7) Pela força positiva acumulada por tudo o que fiz dessa maneira, que todos os sofrimentos de todos os seres limitados possam desaparecer.

Ao dirigir e oferecer aos campos búdicos esta base, ungida com água aromática, espargida com flores; e ornada com o Monte Meru, quatro ilhas, um sol e uma lua, que todos aqueles que vagueiam possam ser levados às terras puras.
Om idam guru ratna mandala-kam nir-yatayami.
A vós, preciosos gurus, eu vos envio este mandala.