You are in the archive Please visit our new homepage

Os Arquivos de Berzin

Arquivos sobre Budismo do Dr. Alexander Berzin

Mudar esta página para Versão Texto. Saltar para navegação principal.

Home > Prática Diária > Orações e Práticas Tântricas > Breve Explicação Sobre a Oferenda do Mandala no Pedido de Ensinamentos

Breve Explicação Sobre a Oferenda do Mandala no Pedido de Ensinamentos

Alexander Berzin
Morelia, México, Abril de 2004

[transcrição ligeiramente revisada]

Antes de se receber um ensinamento, é importante pedi-lo com a oferenda do mandala. E ao fazê-lo é importante compreender o significado dos versos que recitamos com esta oferenda:

Ao dirigir e oferecer aos campos búdicos
Esta base, ungida com águas aromática, espagida com flores
E ornada com o Monte Meru, quatro ilhas, um sol e uma lua,
Que todos aqueles que vagueiam possam
   ser levados às terras puras.
Om idam guru ratna mandala -kam nir-yatayami.
A vós, preciosos gurus, eu vos envio este mandala. 

Este versículo, onde pensamos em termos de um campo búdico, de uma terra pura, e rezamos para que todos possam participar nela, é um pouco difícil de entender, não é? Primeiro, precisamos de compreender o que é um campo búdico ou uma terra pura. É um lugar onde tudo é conducente ao estudo e prática do Dharma durante as vinte e quatro horas do dia. Você não tem que trabalhar, não precisa de comer, não precisa dormir, não tem que pagar aluguel, não precisa ir ao banheiro – você não precisa de fazer nada para além de estudar e praticar o tempo todo. Não é um lugar em que você vai relaxar à volta da piscina e jogar cartas o dia inteiro.

Os campos búdicos estão cheios de arya bodhisattvas, os bodhisattvas que tiveram uma cognição não-conceitual do vazio, e, neles, eles são ensinados por formas Sambhogakaya de Budas, formas físicas em que os Budas se manifestam e fazem pleno uso dos ensinamentos Mahayana.

Isto é o que acontece nos campos búdicos da Terra Pura. Contudo, a nível mais profundo, campo búdico da Terra Pura se refere ao nível de luz clara da mente, que é o nível mais sutil da mente, quando realizado por um arya bodhisattva. E, realmente, como seria maravilhoso se não tivéssemos que fazer nada, exceto praticar e aprender mais, e tivéssemos o estado de espírito e as situações mais conducentes a tal.

Assim, quando fazemos a oferenda do mandala, o que nós queremos é imaginar que este é o tipo de situação em que nos encontramos, e que nossas mentes estão no estado mais propício, e que todo mundo é capaz de compartilhar este tipo de condição para poder estudar. É neste contexto que pedimos ensinamentos, imaginando que tudo é perfeito, tudo é propício. Na verdade, com este verso estamos dizendo: "Estou totalmente aberto e preparado para receber os ensinamentos, e que todos possam também assim estar." Esta é a essência da oferenda do mandala no pedido de ensinamentos.

Se estiver muito calor ou se estivermos com fome e assim por diante, tentamos ignorar tudo isso com o forte desejo de nos livrarmos disso, de modo a podermos ouvir corretamente e não nos distrairmos com essas coisas. No verso da oferenda do mandala nós oferecemos o Monte Meru, os quatro mundos-ilha, etc, e estes representam o nosso atual mundo e situação comuns, como, por exemplo, estar muito calor ou muito frio. Ao oferecê-los, estamos indicando não só a nossa vontade de dar tudo que existe no mundo a fim de receber os ensinamentos, como também, mais profundamente, estamos oferecendo aos Budas o mundo comum inteiro e pedindo que este seja transformado numa terra pura. Assim, na realidade, a oferenda do mandala pertence na verdade ao tipo de prática de limpeza das atitudes – transformar circunstâncias negativas em positivas. Seja qual for a situação difícil que possamos ter no nosso centro budista, na sala dos ensinamentos ou nas nossas vidas em geral, nós a transformamos em nossas mentes. Imaginamos que agora estamos no campo b údico, numa terra pura, e estamos prestes a receber os ensinamentos. Então, neste contexto, um campo búdico da Terra Pura é na verdade um estado de espírito. Nós não pensamos nisso em termos de algum paraíso algures noutra galáxia.

Assim, a oferenda do mandala no pedido de ensinamentos é uma prática muito profunda que não deve ser banalizada. Embora possa ser feita formalmente com uma placa do mandala, com anéis, etc, como menciona o versículo, também a podemos fazer com o mudra, o gesto adequado das mãos, ou até sem qualquer representação do Monte Meru e dos quatro mundos-ilha.

[Ver: O Significado e o Uso de um Mandala .]

Mas, independentemente da forma em que fazemos a oferta, é importante antes passarmos uns minutos tentando acalmar nossas mentes e tentar imaginar que estamos num campo búdico da Terra Pura. Então, nesse estado, façam a oferenda do mandala. E lembrem-se, não estamos querendo ser os únicos ali no campo búdico ou no estado mental de clara luz, ou querendo receber ensinamentos privados por sermos muito importantes e especiais; façam a oferenda com o forte desejo de que toda a gente lá esteja e receba também este ensinamento.