O Sutra do Coração

Assim eu ouvi. Certa vez, o Mestre Vencedor Que Superou Todos os Outros (Bhagavan) encontrava-se na Montanha do Pico dos Abutres, próximo à Cidade Real de Rajagriha, juntamente com uma grande assembléia da sangha monástica e uma grande assembléia da sangha de bodhisattvas.

Naquele momento, o Mestre Vencedor Que Superou Todos os Outros estava no estado de absorção meditativa que expressa a multiplicidade dos fenômenos, conhecido como “a aparência do profundo”.

Também naquele momento, o grande bodhisattva mahasattva, o Arya Avalokiteshvara, o Poderoso Senhor Que Observa Tudo a Seu Redor, comportando-se de acordo com a profunda consciência discriminativa de amplo alcance (sabedoria da perfeição), observava, em detalhes, tudo a seu redor: Ele observava tudo, em detalhes, e viu até mesmo que os cinco agregados da experiência são desprovidos de natureza inerente.

Então, através do poder do Buda, o venerável Shariputra disse ao grande bodhisattva mahasattva Arya Avalokiteshvara: “Como deve treinar um filho espiritual que possui as características da família (do Buda) e deseja contemplar a profunda consciência discriminativa de amplo alcance?”

O grande bodhisattva mahasattva Arya Avalokiteshvara disse estas palavras ao Filho de Sharadvati: “Shariputra, qualquer filho ou filha com as características da família, que queira contemplar a profunda consciência discriminativa de amplo alcance, deve observar tudo a seu redor, em detalhes, da seguinte forma: Precisa manter a visão completa e detalhada dos cinco agregados da experiência como livres de natureza inerente. Forma - vacuidade; vacuidade - forma. Forma inseparável de vacuidade; vacuidade inseparável de forma. (O que tem forma é vazio; o que é vazio, tem forma). Assim também são as sensações, distinções, variáveis influentes, tipos de consciência - (são) vacuidade. É assim, Shariputra, com todos os fenômenos - (são) vacuidade: não têm características, não surgem, não cessam, não se tornam maculados, não deixam de ser maculados e deles nada se tira ou adiciona.

“Assim Shariputra, na vacuidade não há forma, nem sensações, nem distinções, nem variáveis influentes, nem tipos de consciência; não há olho, nem ouvido, nem nariz, nem língua, nem corpo, nem mente. Não há visões, nem sons, nem odores, nem paladar, nem sensações físicas, nem fenômenos. Não há uma fonte cognitiva que é um olho, e assim por diante, até uma fonte cognitiva que é uma mente (nenhuma fonte cognitiva que é um fenômeno), inclusive nenhuma fonte cognitiva que é uma consciência mental. Não há ignorância, nem a eliminação da ignorância e assim por diante, até o envelhecimento e morte e a eliminação do envelhecimento e da morte. Da mesma forma, não há sofrimento, nem causas do sofrimento, nem cessação do sofrimento e nem caminho mental (caminho); não há a consciência profunda, nem realização, nem falta de realização.

“Por isso, Shariputra, como não há as realizações dos bodhisattvas, eles ou elas vivem confiando-se à consciência discriminativa, sem obscurecimento mental algum. (Por não possuírem obscurecimentos mentais) não têm medo, transcendem todos os erros, e finalmente alcançam o nirvana. Inclusive, é por terem se confiado à consciência discriminativa, que todos os budas do três tempos manifestam-se no estado perfeito e inigualável de um Buda completamente iluminado.

“Assim, a consciência discriminativa de amplo alcance é o (grande) mantra protetor da mente, o mantra do grande conhecimento, o mantra insuperável, o mantra inigualável, o mantra que pacifica totalmente o sofrimento. Como não é enganador, deve ser reconhecido como verdadeiro. Na consciência discriminativa de amplo alcance, o mantra protetor da mente foi proclamado, ‘Tadyatha, (om) gate gate paragate parasamgate bodhi svaha. Sua natureza verdadeira: foi, foi, foi além, foi muito além, estado purificado, que assim seja.’ Oh Shariputra, um grande bodhisattva mahasattva deve treinar-se desta maneira (para comportar-se de acordo com) na profunda consciência de amplo alcance”

Então, o Mestre Vencedor Que Superou Todos os Outros emergiu da absorção meditativa e deu seu aval ao bodhisattva mahasattva Arya Avalokiteshvara: “Excelente, excelente, meu filho espiritual com as características da família, é assim mesmo. É assim que ele ou ela devem comportar-se de acordo com a profunda consciência discriminativa de amplo alcance. É exatamente como você mostrou, para que os bodhisattvas (arhats e budas) se alegrem.”

Quando o Mestre Vencedor Que Superou Todos os Outros disse isso, o venerável Filho de Sharadvati, o grande bodhisattva mahasattva, Arya Avalokiteshvara, e as duas assembléias dos que são dotados de tudo, assim como todo o mundo — deuses, humanos, anti-deuses e os músicos celestiais gandharvas —, alegrando-se, louvaram o que foi declarado pelo Mestre Vencedor Que Superou Todos os Outros.

Tib. “Shes-rab snying-po,” Skt: “Bhagavati Prajnaparamita-hrdaya” traduzido por Alexander Berzin. Imagem Inicial: Estudos do Sutra do Coração por Tashi Mannox, ©tashimannox.com

Top