Os Passos da Meditação Dzogchen

Outros idiomas

Reconhecer o Alaya dos hábitos

Na meditação dzogchen (Veja: O Que É Meditação?), primeiro acessamos e reconhecemos o alaya dos hábitos, depois rigpa refulgente e depois rigpa essencial. Como reconhecer o alaya dos hábitos?

O alaya dos hábitos dá origem a ver e ouvir, bem como a imaginar e pensar verbalmente. Imaginar e pensar verbalmente dão os rótulos mentais de "isto" e "aquilo" e seguem as coisas. Ver e ouvir não dão rótulos mentais e não seguem as coisas.

Assim como ver e ouvir, o alaya dos hábitos também não dá rótulos ou segue as coisas, mas é mais sutil do que ver e ouvir. Está subjacente a ver e ouvir, assim como a imaginação subjacente e o pensamento verbal.

Reconhecer o alaya dos hábitos, no entanto, é extremamente difícil. Se vemos formas e cores como um rosto (com ou sem uma ideia de quem é) ou ouvimos sons de consoantes e vogais como uma palavra (com ou sem uma ideia de seu significado), isso não é ver ou ouvir de maneira não-conceitual, e muito menos o alaya dos hábitos. É cognição mental conceitual.

Se conseguirmos reconhecer os milissegundos de visão não conceitual de formas e cores, sem fazer construções mentais ou conceituá-las como "isto" ou "aquilo", isso ainda assim não é o alaya dos hábitos. O mesmo é verdade se conseguirmos reconhecer os milissegundos de audição não conceitual dos sons de consoantes e vogais, sem fazer construções mentais ou conceituá-los como "isto" ou "aquilo". Para reconhecer o alaya dos hábitos durante a cognição sensorial, precisamos nos aprofundar.

Na literatura dzogchen, como o livro Libertação Através da Audição no Bardo (Bar-do thos-grol, O Livro Tibetano dos Mortos), frequentemente lemos sobre o reconhecimento de rigpa durante o bardo (bar-do). Bardo geralmente se refere ao período entre a morte e a concepção, até o próximo renascimento. Bardo, no entanto, pode ser o "espaço cognitivo entre" outras coisas. Assim, rigpa - e aqui, o alaya dos hábitos - pode ser reconhecido nos espaços cognitivos entre momentos de ver, ouvir, imaginar ou pensar verbalmente.

Como reconhecer os milissegundos de visão e audição não-conceitual é muito difícil, e reconhecer os espaços cognitivos entre esses milissegundos é ainda mais difícil, começamos tentando reconhecer a alaya dos hábitos entre os momentos de pensamento verbal. Isso significa tentar reconhecê-lo entre cada palavra ou sílaba de um pensamento verbal.

O Método de Meditação

Para evitar a distração da cognição sensorial, meditamos na escuridão total e no silêncio total com três (aspectos) imóveis (mi-g.yo-ba gsum):

  1. Corpo imóvel - com o corpo ereto, as mãos repousando no colo em gesto de meditação ou repousando sobre os joelhos
  2. Sentidos imóveis – os olhos ficam fechados ou abertos, mas olhando naturalmente à frente
  3. Mente imóvel - sem pensar ativamente, sem pensamentos do passado ou do futuro e sem análise. Apenas descansamos no momento presente da consciência, com frescor e descontração, sem nos preocuparmos com o que estamos fazendo. Em outras palavras, mesmo que surja um pensamento, não o seguimos.

Pensamentos verbais simultaneamente surgem, permanecem e cessam. Quando focamos nesse acontecimento, alcançamos o "espaço entre os pensamentos verbais", que é a situação em que podemos reconhecer o alaya dos hábitos.

O método de meditação, no entanto, não é simplesmente parar de pensar verbalmente aplicando restrição ou disciplina. O surgimento, permanência e cessação simultâneos de momentos de pensamento verbal ocorrem automaticamente. Não é necessário nenhum esforço para que isso aconteça. No entanto, precisamos de esforço para reconhecer e manter o foco nele com compreensão. Caso contrário, com a divagação mental, seguimos os pensamentos, ou com o embotamento mental, caímos em torpor e não entendemos nada.

A Necessidade da Meditação Analítica Madhaymaka como Preliminar

Durante a meditação, não obtemos entendimento através de um processo analítico. A meditação Dzogchen é sem análise. Para poder focalizar, com entendimento, o surgimento, a permanência e a cessação simultâneos de momentos de pensamento verbal, os grandes mestres do Nyingma, Mipam e o Terceiro Dodrubchen, explicaram que, antes, precisamos ter adquirido a certeza da vacuidade da existência verdadeira. Fazemos isso através do método analítico conhecido como "buscando a falha oculta da mente" (sems-kyi mtshang btsal-ba). Analisamos:

  • De onde vem um momento de pensamento verbal - sua origem
  • A situação do próprio pensamento verbal - como um momento de pensamento verbal permanece 
  • Onde um momento de pensamento verbal cessa (desaparece para) - onde ele se dissolve ou para onde vai.

Procurar a falha oculta da mente se assemelha ao processo analítico do Madhaymaka com o qual analisamos um evento do ponto de vista de sua causa, do evento em si e de seus efeitos. Somente quando entendemos que os momentos do pensamento verbal carecem de um surgimento, permanência e cessação verdadeiramente existentes, somos capazes de reconhecer e experimentar, com entendimento, a simultaneidade dos três.

Além disso, também precisamos entender de antemão a total ausência (vacuidade) de um "eu" não afetado, monolítico e separado, como se fosse um chefe, fazendo acontecer o surgimento, a permanência e a cessação de momentos de pensamento verbal ou a observação deles. Esse entendimento nos permite reconhecer e experimentar, com entendimento, que o surgimento, permanência e cessação simultâneos de momentos de pensamento verbal acontecem automaticamente, sem nenhum esforço. Obter esse entendimento também requer treinamento de Madhyamaka.

Com esses entendimentos como preliminares adicionais para:

  • As seis preliminares externas e seis preliminares internas
  • Enorme fortalecimento de nossas redes de construção da iluminação com força positiva e consciência profunda (coleções de mérito e sabedoria)
  • Empoderamento
  • Manutenção dos votos
  • Inspiração de nossos mentores espirituais,

estaremos prontos para tentar reconhecer o espaço cognitivo entre os momentos de pensamento verbal.

[Veja: Os Principais Aspectos do Dzogchen]

Meditamos em níveis progressivamente mais sutis. Isso inclui o foco no surgimento, permanência e cessação simultâneos (desaparecimento) de:

  • Momentos de pensamento verbal,
  • Imagens mentais,
  • Sentimentos de felicidade, infelicidade ou sentimentos neutros,
  • Atitudes, como esperança, expectativa, decepção e tédio,
  • A construção conceitual não-verbal do vácuo que percebemos como um "isto" ou "aquilo" verdadeiramente existente. Essa construção conceitual é um "sentimento" de existência verdadeira.

A Ajuda de Nossos Mestres de Dzogchen para Reconhecermos Rigpa

Como os métodos de meditação acima podem ainda assim não nos levar a reconhecer o alaya dos hábitos, muito menos rigpa, precisamos de mais ajuda. Nossos mestres de dzogchen podem nos ajudar a conhecer rigpa cara a cara (ong-sprod).

Existem dois métodos principais para nos permitir conhecer rigpa pessoalmente:

  1. Sem se basear em pontos-chave (gnad) - ou seja, simplesmente através da circunstância externa, da inspiração do mestre dzogchen, e da circunstância interna, rigpa de base como a natureza búdica.
  2. Além dessas circunstâncias externas e internas, basear-se em um dos seis pontos chave que usam um método adequado à prática de meditação do discípulo:
    • Manter a atenção da mente
    • Manter a mente em repouso, ou seja, mantê-la estável, em seu próprio lugar
    • Chegar à raiz da questão
    • Livrar-se de uma sensação de substancialidade, para que, depois de ter feito uma análise meticulosa, a mente não siga mais um objeto (como um pensamento) e então não tenha para onde ir.
    • Usar o espaço entre a consciência e seus objetos
    • Causar distração, como gritando "phat".

O sexto método é o mais comum. Quando distraídos ou assustados, paramos de pensar.

Na maioria dos casos, não reconhecemos rigpa nesse estágio, mas apenas o alaya dos hábitos. Nós o reconhecemos entre os momentos de pensamento verbal, como o espaço cognitivo que dá origem não apenas aos momentos de pensamento e de imaginação verbais, mas também aos milissegundos de ver cores e formas e ouvir sons de consoantes e vogais. É calmo, firme, não segue objetos e não rotula mentalmente nada como "isso" ou "aquilo". No entanto, o alaya dos hábitos ainda é sem (consciência limitada) e, como tal, tem o fator de estupefação ofuscamento, de não conhecer o próprio rosto.

Reconhecendo Rigpa Refulgente

Devemos tomar cuidado para não confundir e considerar a realização de alaya dos hábitos com a realização de rigpa. Além disso, precisamos ter cuidado para não confundir e considerar a realização de rigpa uma consciência decisiva (nges-shes) da natureza convencional (a mera produção e percepção de aparências cognitivas) ou da natureza mais profunda (vacuidade) de alaya dos hábitos. Fazer isso seria confundir a meditação dzogchen com o Mahamudra Gelug / Kagyu.

Precisamos ir mais fundo e mais sutil, para experimentar e reconhecer um espaço cognitivo intermediário que tenha uma profunda consciência de sua própria natureza de duas verdades. Se formos bem-sucedidos, o fator de ofuscamento deixará de acompanhar nossa meditação e o alaya dos hábitos se tornará rigpa. Por termos "lubrificado" os caminhos de nossos canais de energia com a prática anterior de anuyoga e sincronizado os ventos com a recitação de mantras, no processo dessa meditação, todos os níveis mais grosseiros de atividade mental - e especificamente o alaya dos hábitos - se dissolvem automaticamente.

Fazemos isso reconhecendo rigpa refulgente, que é rigpa em seu aspecto de gerar ativamente aparências cognitivas e conhecê-las ativamente, sendo a primeira mais proeminente. Focamos agora no surgimento, permanência e interrupção simultâneos dos milissegundos de ver e ouvir as aparências cognitivas daquilo que não é verdadeiramente existente como "isto" e "aquilo", ao qual o alaya dos hábitos dá origem. Quando reconhecemos rigpa refulgente, acessamos o surgimento, permanência e cessação simultâneos de milissegundos de aparências puras do estado além do campo periscópico de percepção da consciência limitada.

Reconhecendo Rigpa Essencial: Os Estágios do Atravessar e do Salto Adiante

Depois de reconhecer rigpa refulgente e conseguir manter o foco nela, reconhecemos rigpa essencial, rigpa em seu aspecto de ser o espaço aberto (klong) ou a esfera cognitiva (dbyings) que permite o surgimento e o conhecimento de aparências, sendo esta última mais proeminente. Quando reconhecemos e mantemos o foco nisso, atingimos o atravessar (thregs-chod), um caminho mental da visão (mthong-lam, caminho da visão).

Então, como resultado da prática com figuras búdicas no mahayoga, rigpa refulgente gera um corpo de arco-íris ('ja'-lus)e se conhece como tal, e não como os agregados comuns. Assim, no estágio do salto adiante (thod-rgal) - equivalente a ter um caminho mental da habituação (sgom-lam, caminho da meditação) - através de quatro estágios, rigpa refulgente se torna mais proeminente enquanto mantém simultaneamente rigpa essencial proeminente.

Atenção Primordial

Quando acessamos rigpa, acessamos sua qualidade inata que surge simultaneamente de atenção primordial por ter caído no estado natural (rang-babs gnyug-ma'i dran-pa), também chamada atenção profunda por ter caído (ye-babs- kyi dran-pa). A atenção automaticamente se segura, ou se mantém, em rigpa. Consequentemente, a meditação dzogchen em rigpa é chamada de meditação sem esforço, não-meditação ou meditação não-deliberada.

Isso não significa que, antes de acessar rigpa e, assim, alcançar o caminho da visão, meditemos sem atenção. Meditando com sem e sem nenhuma atenção plena, experimentamos instabilidade mental (rgod-pa, agitação mental) e embotamento mental (bying-ba). Ao praticar dzogchen, é crucial aplicar as instruções específicas apenas ao nível de meditação e comportamento a que se destinam.

Top